Precisa de ajuda?
Faça aqui a sua pesquisa
Amoris Laetitia apresentada na ONU
24.06.2016
O presidente do Conselho Pontifício para a Família, D. Vincenzo Paglia, esteve ontem nas Nações Unidas para apresentar a exortação apostólica do Papa Amoris Laetitia. Num evento que contou com a presença do observador permanente do Vaticano nas Nações Unidas, foi discutida a família como força vital na sociedade, e exposta a exortação pós-sinodal do Papa Francisco, em paralelismo com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), definidos pelas Nações Unidas após o final da campanha dos Objetivos de Desenvolvimento do Milénio.


Falando do documento que tinha já resumido em algumas palavras na sua intervenção, D. Vincenzo Paglia afirmou que a exortação «coloca a família no cruzamento de um novo desenvolvimento no nosso planeta». «A criação e os seus infinitos recursos foram confiados à aliança do homem e da mulher, que são chamados para a parceria frutífera que conhecemos como "família" e que é baseado no amor apaixonado e responsável que eles têm um para com o outro, como pessoas que são capazes de aceitar e respeitar-se mutuamente na diversidade que lhes dá as suas identidades separadas», disse o presidente do Conselho Pontifício para a Família.

O prelado italiano adiantou também que todos os estudos, passados e atuais, demonstram que quando «a família é apoiada e valorizada, os índices de qualidade de vida, desenvolvimento social e económico, a transmissão de valores, a prevenção do crime e a injustiça» melhoram significativamente.

Por isso, considera que «o documento papal pode dialogar eficazmente com os dezassete ODS das Nações Unidas para 2015-2030». «Se queremos um mundo de maior justiça e paz, que cresce no cuidado dos recursos naturais e do ambiente, em iniciativas para os segmentos mais pobres das populações, em coexistência pacífica e mais solidária, as nossas instituições culturais, económicas, políticas e religiosas devem trabalhar em conjunto para que a fonte original de relações – a família - seja reconhecida como tal e seja apoiada», disse aos presentes.
 
Afirmando que «o sonho» pelo qual se fundaram as Nações Unidas foi o de permitir que todos os povos pudessem unir-se como uma só família, um sonho presente «no âmago de toda a humanidade, D. Vincenzo Paglia concluiu que, com esta exortação, o Papa Francisco «forneceu mais uma telha para o mosaico que irá realizar este sonho de todos os povos da terra, cada uma com a sua própria identidade, de se tornarem uma família e viver em paz».
 
 
Texto: Ricardo Perna
Foto: Conselho Pontifício para a Família
Continuar a ler