Precisa de ajuda?
Faça aqui a sua pesquisa
Conheça tradições da Semana Santa
10.04.2017
Se quer aliar a vivência espiritual da Semana Santa a uns dias de férias em família, damos-lhe algumas sugestões.

Braga
As festividades já começaram e toda a agenda pode ser vista aqui. A Semana Santa de Braga inclui um vasto programa cultural, religioso e popular. Há algumas práticas únicas no mundo por causa do Rito Bracarense. Destaque para o cortejo bíblico «Vós sereis o meu povo», mais conhecido por Procissão de Nossa Senhora da «Burrinha» em 12 de abril, pelas 21h30. Nele é possível acompanhar a História da Igreja, desde o chamamento de Abraão até à infância de Jesus, incluindo a sua fuga para o Egito com José e Maria. Uma burra mirandesa transporta a imagem de Maria com Jesus ao colo. Outros pontos altos da Semana Santa de Braga são a procissão do Senhor Ecce Homo e, na sexta-feira, a celebração da morte do Senhor e a procissão do enterro do Senhor. A vigília pascal na Sé de Braga começará às 21:00.
Procissão da «Burrinha» em Braga (Foto: Semana Santa de Braga)

Valença
A Páscoa em Valença tem uma tradição única, a do Lanço da Cruz. Trata-se de uma tradição que une a Galiza e o Minho e acontece na segunda-feira depois da Páscoa. Ao final da tarde, depois da visita pascal, à freguesia de Cristelo-Côvo, o pároco, paramentado e com uma cruz ornamentada, entra num barco e vai dar a cruz a beijar aos paroquianos do outro lado do rio, à Galiza. Nesse período os pescadores minhotos lançam as redes benzidas ao rio. O peixe que sair é entregue ao padre, que entretanto regressa no barco a Portugal com o pároco de Sobrado-Torron (Tui, Galiza). É então dada a beijar a cruz aos peregrinos do lado português. Toda a cerimónia é acompanhada por barcos minhotos e galegos no rio. Gaitas de foles, concertinas, castanholas, bombos e tambores fazem a festa.

Óbidos
No Oeste, em Óbidos também há uma forte tradição de festejos de Semana Santa. A procissão dos Passos já se faz há 400 anos. Quinta-feira Santa pode assistir ao recital La Pietà com Daniel Oliveira no cravo e a soprano Ana Patrícia Figueiredo. Na Sexta-feira Santa, a procissão do Enterro do Senhor percorre a vila à luz de archotes num momento de introspeção. A Vigília Pascal, na Igreja de São Pedro está marcada para as 22:00. Pode ter mais informações aqui.
Foto: Semana Santa de Óbidos

Entre-os-Rios e Torrão
Com mais de 300 anos, a Semana Santa enfeita as margens dos rios Tâmega e Douro com velas. A electricidade é cortada para a procissão do Senhor dos Passos. As «Endoenças de Entre-os-Rios» (Penafiel e Marco de Canaveses) estão inscritas no Inventário do Património Cultural Imaterial desde 17 de julho de 2015. pode ler-se que «as “Endoenças” abrangem a celebração litúrgica que tem lugar na noite de quinta-feira santa, ou quinta-feira de Endoenças, mas também, na conceção e na linguagem comuns, todo o complexo cerimonial da Semana Santa. Quinta-feira de Endoenças, com a Procissão do Senhor dos Passos e sermão “do Encontro”, é assim naturalmente complementado pela sexta-feira da Paixão, em que nova procissão, do Senhor Morto, faz o percurso inverso ao da noite anterior, para regressar à matriz onde decorrerá a “aleluia”, no sábado seguinte».
 
Endoenças (Foto:patrimoniocultural.gov.pt)
Idanha-a-nova
No distrito de Castelo Branco, Idanha-a-Nova também tem uma tradição secular e rica de vivência da Semana Santa. Na Quarta-feira Santa, em Segura e Alcafozes é colhido alecrim e posto no lajedo da Igreja da Misericórdia. Na Quinta-feira Santa há o Peditório e a Ceia dos Doze e a cerimónia do Lava-Pés. Monsanto, Penha Garcia e Monfortinho são alguns dos locais com tradições como a representação cénica da Via-Sacra ou os Santos Passos. As manifestações populares e eclesiais da Quaresma e Semana Santa são no concelho chamadas de «Mistérios da Páscoa». A Câmara Municipal de Idanha-a-Nova vai apresentar à UNESCO o pedido de inscrição nas melhores práticas de salvaguarda do património cultural imaterial. O pedido conta com o apoio do Governo. Pode ver mais informações sobre a agenda desta ano aqui.
 
Texto: Cláudia Sebastião e Alexandre Jardim
Continuar a ler