Precisa de ajuda?
Faça aqui a sua pesquisa
Crise dos sacerdotes em debate
27.10.2017
O livro Senhor Bispo, o pároco fugiu serviu de pretexto a uma reflexão sobre a vida dos padres e a crise por que tantos passam. A apresentação ficou a cargo dos cronistas João Miguel Tavares, leigo, e o Pe. Gonçalo Portocarrero de Almada.


João Miguel Tavares, jornalista e cronista, lembra a sua experiência na diocese de Portalegre-Castelo Branco de onde é originário. «A dimensão humana do padre diocesano sempre me fascinou, porque, no contexto do meu contacto com dioceses do Alentejo, estamos a falar de uma vida dura. Tendem a ser pessoas profundamente isoladas e de terem a seu cargo um trabalho imenso de igrejas atrás de igrejas e de andar centenas de quilómetros para acudir a todas aquelas pessoas.» Daí que o tema da obra o tenha «interessado bastante»: «um padre esmagado pela burocracia e que se tornou funcionário e nem sequer é de Deus, mas da paróquia».
 João Miguel Tavares
«Um bom padre é um PT da alma»
João Miguel Tavares defende que hoje em dia, «os padres são mais precisos do que nunca e é por isso que temos de cuidar deles». Nas sociedades em que «matámos Deus e ficou uma enorme cratera no seu lugar, as pessoas têm muitas angústias». Na apresentação da obra, o jornalista fez uma analogia: «Um bom padre é um PT (Personal Trainer) da alma. Da mesma forma que um PT nos põe a mexer músculos que nem damos por eles, um bom padre pode pôr-nos a mexer músculos espirituais.» Se são mais precisos do que nunca também têm mais dificuldades. No final de ler o livro, João Miguel Tavares ficou com duas conclusões: «Os cristãos têm de se preocupar com os seus padres que andam há décadas a levar pancada.» A outra: «Os párocos deviam confessar-se mais às suas comunidades: os seus erros, as suas angústias, as suas dúvidas. Os padres têm alguma dificuldade em confessar a sua humanidade.»
 
Padres em busca da sua identidade
O outro apresentador da obra foi o Pe. Gonçalo Portocarrero de Almada. Num tom divertido, confessou que «algumas vezes sinto algum medo porque penso que fui insensato e ter aceitado ser padre. Como é que é possível conjugar algo tão único e surpreendente com matéria tão pobre. Eu também espirro! Sou uma pessoa que espirra! E tenho comichão!»

O sacerdote diz que o papel dos padres está dificultado porque tudo mudou. «O padre já não é uma autoridade. Hoje em dia, ele diz que não se faz alguma coisa. “Não se faz!? Não faça ele! Eu faço o que quiser!” De maneira que se torna difícil encontrar qual o seu lugar. Padre quer dizer pai. Não há uma receita a priori que tenha uma receita exata», defendeu. Mas o Pe. Gonçalo diz que a essência do que é ser padre é comum à de ser cristão: «Deus conta connosco e quer que contemos com Ele. Deus conta connosco! E conta connosco e não é por eu ser bom porque não sou; não é por eu ser especial porque não sou.» Este papel que Deus quer dar e a colaboração que pede é fundamental. «Todos nós somos isto, somos chamados a ser os seus pés, as suas mãos neste mundo onde falta tanto carinho.»
João Miguel Tavares e Pe. Gonçalo Portocarrero de Almada

O sacerdote diz ter gostado de ler o livro e concorda com o pároco Benjamim, personagem principal da obra: é bom fugir. «Nós, os padres, devemos fugir. Não interessa que as pessoas gostem dele, mas que amem a Cristo. O padre que é vedeta é um mau padre. O padre tem de ser uma pessoa que leva a Cristo. O interessante do padre é que ele desapareça. Tenho um grande amor ao sacerdócio, mas não gosto do clericalismo. O sacerdócio cristão não é pôr o sacerdote no centro.»
 
O Pe. José Carlos Nunes, diretor-geral da PAULUS Editora, que distribui a obra da Multinova Livreiros, salientou que o livro Senhor Bispo, o pároco fugiu pretende dar aos leitores «uma forma diferente de abordar a vida dos padres, do clero e dos leigos».
 
Senhor Bispo, o pároco fugiu é um livro de Jean Mercier que trata as dificuldades por que passa um pároco desanimado e afogado em atividades, reuniões e sem tempo para a sua relação com Deus. O padre Benjamim está em crise e acaba por fugir. 
 
Texto: Cláudia Sebastião
Fotos: Ricardo Perna
Continuar a ler