Precisa de ajuda?
Faça aqui a sua pesquisa
Dois... é uma família
08.04.2017
Estreou esta semana nas salas de cinema portuguesas o filme francês “Dois... é uma família”. Antes de mais, convém explicar que o título original em nada se assemelha a este, sendo que este pode até induzir o espetador em erro sobre o tipo de filme que vai ver.


“Demain tout commence” é o título original do filme de Hugo Gélin, produtor do filme “A Gaiola Dourada”, que retratava o quotidiano da comunidade portuguesa em França, e retrata a história de Samuel e Gloria, uma bebé deixada nos braços do pai Samuel pela mãe, que se vai embora sem mais nenhuma explicação.

Samuel parte para Londres a procura de Kristin, a mãe, mas não a encontra, e aí começa a aventura de uma caminhada a dois, pai e filha.

O filme não é sobre uma luta de custódia, ou sobre a beleza da família monoparental, como o título em português pode deixar a entender. Antes, é sobre o grande desejo do pai Samuel: proporcionar à sua filha a possibilidade de viver a vida que sempre sonhou.

Omar Sy, conhecido pelo seu papel em “Amigos Improváveis”, personifica de forma excecional a figura do pai desastrado, mas que não olha a meios para a felicidade da filha, numa interpretação comovente, da qual não se pode desligar a estreante Gloria Colston. A vida de ambos, no quotidiano, no próprio trabalho do pai Samuel, é uma constante aventura, o que leva ao desenvolvimento de uma relação comovente entre pai e filha, mas ao mesmo tempo divertida e leve.

O filme está bem realizado, no sentido em que tem um final inesperado, pouco previsível ao longo da película o que só demonstra a qualidade da realização. Só foi pena a fraca escolha do título em português, que pode levar algumas pessoas a, depois de verem o trailer, descartar esta excelente história. Se estão nesse grupo, acreditem: vale a pena dar uma oportunidade a este “Demain tout commence” (amanhã, tudo começa, na sua tradução literal).
 
Texto: Ricardo Perna
Fotos: NOS Audiovisuais
Continuar a ler