Precisa de ajuda?
Faça aqui a sua pesquisa
Liberdade de expressão, expressão da liberdade
24.04.2017
Desde há cinco anos a esta parte, a minha atividade jornalística tem-se dedicado a ouvir diariamente opiniões das mais variadas, acerca dos assuntos mais díspares.No programa «Discurso Direto», emitido duas vezes por dia, de segunda a sexta-feira, na TVI 24, os espectadores dizem de sua justiça sobre tudo.

É um desafio profissional que enfrento com o maior gosto, mas com um desgaste inimaginável. Não me queixo, como é óbvio, mas é difícil, por vezes, ouvir opiniões que se colocam nos antípodas das minhas convicções e que, por vezes, roçam a total intolerância, o racismo e a falta de respeito pelo outro. E é aqui que me quero centrar, já que falo de Liberdade de Expressão. Conceito fundamental da democracia e um direito humano inalienável, assim consagrado pelos Iluministas, a Liberdade de Expressão é, por isso mesmo, inquestionável.

Podia agora citar dezenas de notáveis que, ao longo dos séculos, ou melhor, dos últimos três séculos, caracterizaram este direito, mas cinjo-me à frase de Voltaire, expoente do Iluminismo francês: «Ouse pensar por si mesmo.»
O debate sobre os limites da Liberdade de Expressão coloca-se hoje com especial acuidade, e, talvez, assuma uma importância primordial, tendo em conta a inédita quantidade de fontes que enviam informações, sem filtro, sem análise jornalística.

As plataformas digitais à nossa disposição criaram o “monstro”.
A opinião nunca foi tão livre, é verdade, mas, sem qualquer tipo de regras, aquilo que hoje entendemos como liberdade pode ser o prenúncio de uma severa limitação a essa mesma liberdade.
Todos os excessos criam o seu contrário.

A Igreja, confrontada também ela, ao longo dos séculos, com esta questão primordial, tem feito aturada análise do assunto.
Basta recordar, a propósito, as cautelosas palavras do Papa Francisco, em janeiro de 2015, por ocasião do ataque ao jornal Charlie Hebdo, que condenou, ao mesmo tempo que afirmou: «A liberdade de expressão não dá o direito de "insultar" o próximo.»

E é este o centro do debate, que se mantém ao longo dos séculos. Como conciliar liberdade e responsabilidade.
Já agora, vale a pena recordar, a este propósito, a expressão de liberdade no Evangelho de Mateus, invocando o apelo de Cristo aos seus Apóstolos: «O que eu vos digo às escuras, dizei-o às claras; e o que se vos diz ao ouvido, publicai-o dos telhados.»