Precisa de ajuda?
Faça aqui a sua pesquisa
Santuário apresenta imagens oficiais dos pastorinhos
08.05.2017
O Santuário de Fátima apresentou hoje as imagens oficiais dos pastorinhos Jacinta e Francisco, que serão canonizados pelo Papa Francisco no próximo dia 13 de maio.


Da autoria da pintora leiriense Sílvia Patrício, as imagens não são uma representação pura das fotografias utilizadas na beatificação dos pastorinhos, segundo explicou o Pe. Carlos Cabecinhas, reitor do Santuário de Fátima. «As imagens pretendem transmitir traços da santidade dos pastorinhos. Queríamos que as imagens fossem capazes de transmitir as atitudes deles e a relação com Deus que os dois futuros santos viveram, daí a necessidade de fazermos imagens oficiais que destacassem os traços de santidade da Jacinta e do Francisco», explicou.
 
As imagens vão ser colocadas na fachada da Basílica de Nossa Senhora do Rosário de Fátima, à semelhança do que aconteceu com as imagens da beatificação, em 2000. «A colocação na fachada da basílica vai permitir que todos os peregrinos vejam, de todo o recinto, as imagens dos dois novos santos», afirmou o Pe. Cabecinhas.
 
Também presente na apresentação, a Ir. Ângela Coelho, postuladora da causa da canonização dos pastorinhos, disse aos jornalistas que «quis que os retratos não se afastassem da efígie que o povo de Deus reconhece», e que essa foi a razão pela qual a pintora se baseou na famosa fotografia tirada em Aljustrel poucos dias antes do 13 de outubro de 1917.
 
A postuladora explicou que a simbologia colocada nos quadros pretendia descrever a relação destas figuras com a história. Desde logo, destacou o terço e a candeia, que pertencia aos videntes. «A candeia torna-se expressão da frase de São João Paulo II que disse que os pastorinhos eram “candeias que Deus acendeu”. Depois, cada uma delas reflete a relação especial que cada um tinha com os astros. A Jacinta gostava mais da “candeia” de Nossa Senhora, a Lua; Francisco mostrava especial predileção pela “candeia” de Nosso Senhor, o Sol», disse a religiosa portuguesa.

 
A auréola é um dos objetos mais simbólicos das imagens. A pintora Sílvia Patrício, que falou do «grande desafio» que foi esta obra, explicou que a prioridade era «a personalidade dos pastorinhos». «Queria que eles estivessem em destaque, não os símbolos». O maior desafio da pintora foi «que o olhar refletisse aquilo por que eles passaram». «Quero que as pessoas sintam algo quando olharem para os seus olhos, que comunicassem uma mensagem para cada um», afirmou a pintora.
 
Os quadros foram pintados em tela sobre madeira com tinta a óleo e acrílico. Sílvia Patrício explicou que a cabeça da Jacinta foi aprovada a 13 de março, mas que não tem noção de quanto tempo demorou a executar a obra.
 
As telas que serão colocadas na fachada medem 11 metros por 3 de largura e deverão ficar até ao 13 de outubro, segundo explicou o reitor. «As telas serão um elemento provisório, mas ficarão pelo menos até outubro para recordar este acontecimento feliz da canonização dos dois mais novos santos não mártires» da igreja, disse aos jornalistas.
 
A disposição das telas não será a mesma da foto original, revelou a Ir. Ângela Coelho. «A Jacinta foi colocada em primeiro lugar porque foi ela a primeira anunciadora das Aparições», disse. Para além das telas a colocar na Basílica, foi também produzida uma pagela que junta os dois quadros numa só imagem, pagela essa que será distribuída a todos os presentes no dia 13 de maio.

 
Texto e fotos: RIcardo Perna
 
Continuar a ler