Precisa de ajuda?
Faça aqui a sua pesquisa
Três horas a pé para ter água?
26.10.2017
«Quanto tempo tens de andar para teres acesso a água?» Esta é a pergunta que motiva o projeto de crowfunding (angariação de fundos na internet) «Água é vida». Helena Ferreira é leiga missionária na missão de Itoculo, em Moçambique. A jovem chegou em janeiro e ficará até ao final do ano. Em entrevista à FAMÍLIA CRISTÃ, conta que a idea do projeto nasceu «exatamente pelo manifesto negativo das pessoas de Thamela nas suas queixas constantes de falta de água».
Esta zona fica a cerca de 50 km de Itoculo-Sede. «Nos meses mais secos, como outubro, novembro e dezembro, mesmo os poços de fabrico caseiro deixam de ter água. Acontece o mesmo com outras cinco comunidades que compõe a zona, sendo que apenas uma tem uma fonte de água relativamente perto.» A dificuldade do acesso à água é, por isso, evidente. «A realidade local é uma realidade muito triste isto porque ter de fazer três horas para chegar a uma fontanária para tirar água, esperar duas ou três horas pela nossa vez de tirar água e voltar a fazer três horas para chegar a casa, mas desta vez com os baldes carregados de água é uma ideia desconcertante para a realidade a que estava habituada», lamenta Helena.
 
A realidade interpelou-a e daí nasceu o projeto de angariação de fundos para construir uma estrutura que permita o acesso à água numa dessas comunidades com o objetivo de «melhorar a qualidade de vida das famílias, aproximando delas um bem tão essencial como a água». O objetivo é angariar 7 232 euros até 5 de dezembro. Esta quinta-feira, dia 26 de outubro, já tinha sido alcançado 27% do valor. Na página do projeto (ppl.com.pt/causas/agua-e-vida) é possível fazer donativos e conhecer melhor a ideia. Os organizadores comprometem-se a construir duas fontanárias se alcançarem o dobro do valor. Também a marcou que esta tarefa e este esforço sejam feitos pelas mulheres e crianças. No vídeo que fez para a campanha, veem-se mulheres a tirar água e crianças a brincar e a carregar água.
 

Helena Ferreira explica que a obra será controlada pela «equipa missionária de Itoculo, junto com a autoridade local e a empresa com a qual estabelecemos orçamento».

A jovem está a gerir a biblioteca paroquial e explica que a missão desenvolveu «um esquema de apoio escolar» onde ela é «responsável pela matemática e ainda por aulas de leitura». Nas tardes, ensina os meninos da escola primária a ler. Além disso, trabalha «com os jovens da paróquia e com a comunicação social».

A missão de Itoculo, dos Missionários do Espírito Santo, nasceu em 2004. É responsável por um lar de raparigas e outro de rapazes que frequentam a escola secundária, um jardim de infância, um centro de nutrição que acompanha crianças desnutridas da região, uma biblioteca e um centro de formação. A equipa é composta por três sacerdotes, quatro religiosas, um seminarista estagiário e uma voluntária.

De acordo com a Unicef, em 2017, há 2,1 mil milhões de pessoas sem acesso a água potável em casa, 30% da população mundial.
 
Texto: Cláudia Sebastião
Fotos e Video: Missão de Itoculo, Missionários do Espírito Santo

 
Continuar a ler