Precisa de ajuda?
Faça aqui a sua pesquisa
Abusos: Conferência Episcopal cria comissão nacional
12.11.2021
A Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) anunciou a criação de uma comissão nacional para «reforçar e alargar» o atendimento de casos de abusos sexuais cometidos por membros do clero, institutos religiosos ou em instituições eclesiais. D. José Ornelas, presidente da Conferência Episcopal, disse em conferência de imprensa e citado pela Agência Ecclesia, que terá «real independência» para investigar, e reforçou que houve «unanimidade» entre os bispos na CEP sobre a necessidade de «fazer clareza» sobre o assunto.



A comissão nacional pretende acompanhar «a nível civil e canónico» as vítimas e também realizar «o estudo em ordem ao apuramento histórico desta grave questão», sendo ainda criado «um ponto de escuta permanente a nível nacional». «Faremos tudo para esclarecer cabalmente esta questão. Portanto, o que for necessário fazer vamos fazer, sobre isto não tenho a mínima dúvida», garantiu D. José Ornelas.

Já há comissões diocesanas, que integram pessoas qualificadas nas áreas de psicologia, direito, psiquiatria. O bispo de Setúbal reconheceu o trabalho destas comissões. Agora, com a criação desta comissão nacional «o que interessa, a acentuação que se pôs, é a capacidade de liberdade de pensamento e de ação destas comissões na busca intransigente de clareza que queremos para esta questão».

A transparência e clareza é uma das preocupações dos bispos portugueses. D. José Ornelas nega que se queira «cobrir o que quer que seja», garantindo que se quer respeitar as vítimas e evitar «soluções parciais e apressadas». «Não temos medo e temos todo o interesse em esclarecer tudo isto. Isso deve ser claro para todos», insistiu.

A nova comissão nacional vai «acolher denúncias, acompanhá-las o mais possível, tendo uma noção mais articulada e compreensiva» da questão, tanto da atualidade como do passado. Vai agora ser constituída e «criar critérios» para a sua atuação, não sendo ainda conhecidos os nomes de quem a integrará.

A decisão foi tomada na 201.ª Assembleia Plenária da CEP, no final da qual os bispos quiseram manifestar «um voto de confiança à generalidade do clero português que, com toda a disponibilidade e dedicação, continua a servir a Igreja no seu ministério pastoral».
Texto: Cláudia Sebastião com Agência Ecclesia
Continuar a ler