Precisa de ajuda?
Faça aqui a sua pesquisa
Abusos na Igreja: D. Manuel Clemente já se encontrou com vítima de abusos
20.02.2019
O presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), D. Manuel Clemente, será um dos 190 participantes no encontro sobre Proteção de Menores na Igreja que tem início amanhã no Vaticano. O Cardeal-Patriarca de Lisboa admite uma «expetativa grande» sobre o encontro.

(Foto de Arquivo)
«Em muito boa hora o Papa Francisco quis alargar à Igreja mundial, de uma maneira mais intensa com esta convocação, a sua preocupação e o seu empenho em ultrapassar e resolver um problema que é grave e precisa de ser resolvido», declarou D. Manuel Clemente à Família Cristã antes de partir para Roma.
 
O prelado admite que, se a Igreja foi «parte do problema», agora tem de trabalhar para ser «parte da solução». «É isso que o Papa Francisco quer e é isso que nós queremos com ele e com certeza que estamos disponíveis para fazer todos mais e melhor para evitar situações destas e para que haja uma verdadeira conversão aos valores evangélicos, na intenção e na prática», afirmou.
 
O encontro vai ser dedicado aos temas da responsabilidade, responsabilização e transparência e contar com testemunhos de várias vítimas de abusos, convidadas a partilhar com os bispos a sua experiência traumática. Na preparação do encontro, o Papa pediu a todos os presidentes das Conferência Episcopais convidados para o encontro que se encontrassem com vítimas de abusos nos seus países para as poderem ouvir e melhor compreender a sua experiência.
 
Questionado sobre se em Portugal tinha sido feito esse exercício, D. Manuel Clemente explicou que «apareceu um caso de uma pessoa que quis falar». «E falou... falou longamente comigo, eu ouvi e com certeza que estive com essa pessoa no seguimento do caso», revelou.
 
O presidente da CEP mostra, no entanto, e como já tinha sido afirmado pelo porta-voz da CEP, «disponibilidade ativa» para escutar mais casos, embora admita que «não forçamos ninguém a conversar daquilo que não quiser conversar». «Nós mostrámos, desde o princípio, tanto eu como os outros meus colegas das outras dioceses, mas concretamente eu, uma disponibilidade grande para escutar quem quisesse conversar ou estivesse disponível para isso. Uma disponibilidade ativa. Ou seja, não nos limitamos a dizer uma e outra vez isso mesmo, mas a estarmos realmente disponíveis. No meu caso, a disponibilidade era e é sempre completa (...) e mantém-se ativa», reforça.

Em conversa com a Agência ECCLESIA sobre o alcance desta expressão «disponibilidade ativa», D. Manuel Clemente referiu que tomou a iniciativa de dialogar com vítimas de abusos sexual que são conhecidas da opinião pública, o que acabou por não se concretizar tendo em conta o maior interesse e proteção das vítimas, expresso na desmotivação que têm em revisitar esses momentos e ainda menos na sua divulgação.
 
Sobre o encontro em si, D. Manuel Clemente espera «uma ocasião de reflexão, de escuta, de partilha, para se encontrar, como o Papa disse, as melhores indicações para resolver, ainda mais e melhor e sobretudo prevenir, casos destes. Porque, nestes casos, é sempre melhor prevenir do que remediar (embora às vezes só nos reste remediar)», lamentou.
 
O encontro terá início amanhã, dia 21, e terminará no dia 24, domingo, com o discurso do Papa Francisco após a missa que irá ser celebrada com todos os participantes no encontro.

A reportagem em Roma no encontro sobre Proteção de Menores na Igreja é realizada em parceria para a Família Cristã, Agência Ecclesia, Flor de Lis, Jornal Voz da Verdade, Rádio Renascença e SIC.
 
Texto e foto: Ricardo Perna
Continuar a ler