Precisa de ajuda?
Faça aqui a sua pesquisa
Anunciar o Evangelho da Família
20.06.2016
A família tem sido uma das preocupações prioritárias no coração do Papa Francisco, desde o início do seu pontificado. Sobre os mais diversos problemas que as famílias enfrentam, o Santo Padre quis envolver a Igreja inteira, dos pastores aos leigos do mundo inteiro, convocando duas assembleias sinodais, cujos temas delineou, como nova etapa de reflexão, na Exortação Apostólica A Alegria do Amor.
 
As primeiras palavras do documento transmitem desde logo um sinal positivo de esperança, que o Papa entrevê no coração dos jovens para o futuro, sobre este sacramento que marca o amor e a vida dos casais cristãos. Como marca a vida de cada um de nós que merece nascer, como é dito no n.º 81, «não de qualquer maneira, mas deste amor, porque ele “não é uma dívida, mas uma dádiva” que é o fruto do ato específico do amor conjugal dos seus pais».
 
A propósito do desafio das crises que todos os casais enfrentam, o Santo Padre afirma, no n.º 232, que «a história de uma família está marcada por crises de todo o género, que são parte também da sua dramática beleza […]. Não se vive juntos para ser cada vez menos feliz, mas para aprender a ser feliz de maneira nova a partir das possibilidades que uma nova etapa abre.»
 
A primeira grande etapa na vida de um casal é, sem dúvida, a realização do Matrimónio. Todavia, a questão do seu adiamento devido à instabilidade de relações confere-lhe uma conotação negativa pelo facto de alguns casais, que já se conheciam e que até conviveram durante um longo período de tempo, acabarem por se separar pouco depois da celebração do Matrimónio.
 
A riqueza da essência sacramental do Matrimónio não elimina as crises, mas ajuda a encará-las como um incentivo que, no pensamento do Papa Francisco, reavive a vontade de subir para patamares mais elevados da vida cristã, dando novas oportunidades de felicidade a partir dessas novas etapas, esbatendo a instalação de rotinas causadoras da falta de motivação.
 
 
«Não se vive juntos para ser cada vez menos feliz, mas para aprender a ser feliz de maneira nova a partir das possibilidades que uma nova etapa abre.»