Precisa de ajuda?
Faça aqui a sua pesquisa
​Cardeal Konrad Krajewski: «Trago esta imagem do povo martirizado da Ucrânia»
24.03.2022
O cardeal Konrad Krajewski, legado pontifício do Papa Francisco a Fátima, para o Ato de Consagração da Rússia e da Ucrânia que vai acontecer esta sexta-feira, disse hoje trazer consigo a imagem do «povo martirizado» pela guerra. «Esta minha viagem é muito silenciosa, no âmbito religioso, também um pouco triste, porque estive na Ucrânia, vi o que ali acontece, portanto, trago esta imagem do povo martirizado na Ucrânia», referiu o cardeal Konrad Krajewski, em declarações após uma audiência com o cardeal-patriarca de Lisboa.

 
O esmoler pontifício, colaborador próximo do Papa vai presidir, em ligação com o Vaticano, à cerimónia de consagração que tem início às 16h00, na Capelinha das Aparições. «Tudo isto vem do texto de consagração que o Santo Padre preparou, aí saberemos tudo. É um texto muito rico, penso que foi redigido na oração. Não gostaria de o comentar: hoje, no mundo, usamos muitas palavras, podemos dizer que é um bombardeamento de palavras», indicou o cardeal polaco.
 
D. Konrad Krajewski esteve na Ucrânia para manifestar a solidariedade do Papa, neste mês de março, e encontrou-se com refugiados e autoridades civis e religiosas. Em virtude da sua experiência, considera que o «silêncio deve falar». «Deixemos tudo nas mãos deste gesto celebrativo, de Consagração, de sexta-feira, para que todo o mundo se una».
 
Este prelado considera que «todos os bispos do mundo, precisamente no mesmo dia, no mesmo horário, farão esta consagração ao Imaculado Coração de Maria. E isto já diz tanto. Penso, assim, que se justifica que mantenha este silêncio», acrescentou.
 
Já D. Manuel Clemente, cardeal-patriarca de Lisboa, destacou o simbolismo do ato desta sexta-feira, ligando-o ao «triste significado» da guerra e do sofrimento humano, com o «perigo que tudo isto representa», não só para as vítimas do conflito, mas também para toda a humanidade. «É tal o tamanho de grandeza negativa do que acontece na Ucrânia que tem de ser superado por uma grandeza ainda maior, não só da colaboração de tanta gente, que lá vai ou que lá está e que ajuda como pode», referiu.
 
O cardeal comentou que a presença da imagem peregrina de Nossa Senhora de Fátima na Ucrânia recorda uma ligação ao Leste da Europa, «logo desde o princípio», como tem sido sublinhado pelos «sucessivos Papas». «A consagração, como ato religioso, é algo constante na vida dos cristãos. Depois, ganha amplitude quando se refere a nações, a povos. Agora é, mais uma vez, a altura para o fazer, para lembrar que, problemas tão grandes, para nós religiosos, devem resolver-se na raiz, ou seja, em Deus», concluiu.

 
O Ato de Consagração será acompanhado, em Fátima, pelos bispos portugueses que lá se irão deslocar, mas também um pouco por todo o mundo os bispos têm aderido à proposta do Papa e irão fazer o seu Ato de Consagração simultâneo.

 
Texto: Ricardo Perna (com Agência Ecclesia)
Foto: Filipe Teixeira | Patriarcado de Lisboa
Continuar a ler