Precisa de ajuda?
Faça aqui a sua pesquisa
D. António Marto já é cardeal
29.06.2018
D. António Marto, bispo de Leiria-Fátima, tornou-se cardeal às 15h40 de dia 28. Antes da cerimónia, na Sala Stampa, sala de imprensa do Vaticano, disse aos jornalistas gostar da «simplicidade na apresentação». Em declarações citadas pelo site do Santuário de Fátima, D. António Marto explicou que «o Papa apresenta-se de forma muito simples, muito sóbria, e eu gostava que um dia chegássemos todos a apresentarmo-nos assim de forma simples, sem estas vestes exageradas. Que apesar de simbólicas são de outros tempos».

Foto: Vatican News

O novo cardeal disse também estar numa «atitude de disponibilidade completa» para o que o Papa quiser. «Eu de qualquer modo não queria que as expectativas fossem demasiadas. Eu faço parte da conferência Episcopal, quem tem um presidente, e onde cada bispo tem a sua voz. E é em conjunto que trabalhamos os problemas da Igreja em Portugal», afirmou.

Logo no início da celebração, após um momento de oração em silêncio, D. Louis Sako, Patriarca Caldeu do Iraque, agradeceu «a confiança» do Papa nos novos cardeais e salientou a «universalidade da Igreja» e a «especial atenção pelas Igrejas orientais e pelas minorias onde ainda há mártires».

Na homilia, o Papa Francisco explicou que «Jesus ensina que a conversão, a transformação do coração e a reforma da Igreja são feitas, e sempre o devem ser, em chave missionária, pois pressupõem que se deixe de olhar e cuidar dos interesses próprios para olhar e cuidar dos interesses do Pai». Aos 14 novos cardeais, Francisco fez alguns pedidos: «Não esquecermos que a autoridade na Igreja cresce com esta capacidade de promover a dignidade do outro, ungir o outro, para curar as suas feridas e a sua esperança tantas vezes ofendida.» Além disso, «o Senhor caminha à nossa frente para nos lembrar uma vez mais que a única autoridade crível é a que nasce de se colocar aos pés dos outros para servir a Cristo». Servir é a palavra-chave do cardeal e do cristão e «a mais alta condecoração que podemos obter», porque «servir Cristo no povo fiel de Deus, no faminto, no esquecido, no recluso, no doente, no toxicodependente, no abandonado, em pessoas concretas com as suas histórias e esperanças, com os seus anseios e deceções, com os seus sofrimentos e feridas. Só assim a autoridade do pastor terá o sabor do Evangelho». Novo aviso: «Nenhum de nós se deve sentir “superior” a outrem. Nenhum de nós deve olhar os outros de cima para baixo; só podemos olhar assim uma pessoa, quando a ajudamos a levantar-se.»

D. António Marto foi o sétimo a ser criado cardeal. Foi-o com o título de Santa Maria sopra Minerva, uma igreja de Roma que já atribuída, no século XIX, ao cardeal Guilherme Henriques de Carvalho, 9.º patriarca de Lisboa, que foi bispo de Leiria.

No dia da criação como cardeal, D. António Marto e os restantes novos cardeais foram visitar o papa emérito Bento XVI com o Papa Francisco. Esta sexta-feira, houve Missa com Bênção dos Pálios para os novos arcebispos metropolitas, presidida pelo Papa Francisco.

O atual bispo de Leiria-Fátima é o 5.º cardeal português do século XXI e vai juntar-se a D. José Saraiva Martins, D. Manuel Monteiro de Castro e D. Manuel Clemente no Colégio Cardinalício. Só os cardeais com menos de 80 anos podem votar para escolher um novo Papa num Conclave. Atualmente, há 125 cardeais nestas condições.
 
Texto: Cláudia Sebastião com Santuário de Fátima
Fotos: Vatican News
Continuar a ler