Precisa de ajuda?
Faça aqui a sua pesquisa
Vida Cristã
Fátima por... Cuca Roseta
13.01.2017
Este é o testemunho da fadista Cuca Roseta:
Fátima, que dizer sobre Fátima... Desde pequena que quando me dizem a palavra Fátima só me vêm à cabeça memórias gratificantes, não há uma imagem ou uma memória ligada à Fátima que não me traga uma boa sensação. Desde os retiros às visitas pontuais, Fátima tem para mim vários pontos de vista, mas os que mais me recordo são as 21 peregrinações que fiz, tudo o que demoramos a alcançar, quando alcançamos tem outro sabor, e Fátima é sempre a metáfora do céu para quem caminha na metáfora dos passos da vida.
Foto de Alfredo Matos
Fátima não é só o mistério e o amor que transmite, a paz e a alegria plena, Fátima é símbolo de fé, naqueles que acreditam neste lugar sagrado onde faz cem anos que Nossa Senhora apareceu a três pequenas e simples crianças e nos deixaram um santuário onde podemos mergulhar o coração e uma história como um dos maiores exemplos de coragem e de fé. Este é o centenário de um dos lugares mais sagrados do mundo. E eu não vou perder esse dia de festa, que farei com a preparação espiritual que acredito ser importante.
 
Nossa Senhora na minha história
Em todas as histórias da minha vida sinto a influência de Nossa Senhora. Sempre rezei a Nossa Senhora, acho que sem dúvida é através dela que chegamos até Deus, ela é a nossa mãe, que cuida, que protege, que olha por nós e que tem um amor incondicional, mesmo que nós não o retribuamos sempre, como qualquer mãe que ama o seu filho acima de tudo e que está sempre lá para amparar na queda.
Quando fui mãe da Benedita senti a presença de Nossa Senhora na hora do nascimento.

Cuca Roseta numa das 21 peregrinações ao Santuário de Fátima.Fátima no meu dia a dia
Fátima é o meu lugar sagrado, o meu refúgio divino onde vou todos os anos, tem todo o efeito prático na minha vida. Assim como o corpo também o espírito deve ser alimentado, assim como visitamos qualquer amigo também devemos visitar a casa da nossa mãe, pois uma relação não existe sem que a procuremos. O facto de procurar faz com que eu encontre e isso é o que trago sempre para a minha vida, a certeza de que a grande prioridade é rezar.

Como tudo começou
A ligação com Fátima através das 21 peregrinações que fiz e dos retiros e encontros em Fátima, visitas com a família. Visito Fátima desde que nasci, todos os anos durante muito tempo ia a Fátima pelo menos duas a três vezes por ano.
Ter feito parte de tantos grupos católicos me ajudou em certas alturas da vida a perceber o imprescindível que era para mim dar resposta a esta fé. Fiz parte das equipas de jovens de Nossa Senhora, Aliança de Amor em Schoenstatt, Comunhão e Libertação, coro dos Salesianos... Muitos foram os grupos que me ajudavam a manter a luz da fé acesa.
 
Excerto do testemunho publicado na FAMÍLIA CRISTÃ de janeiro de 2017.
Continuar a ler