Precisa de ajuda?
Faça aqui a sua pesquisa
Vida Cristã
O Anjo da Paz, Anjo de Portugal
21.03.2017
Por três vezes, o Anjo da Paz, também chamado Anjo de Portugal, veio à Loca do Cabeço e a Aljustrel revelando aos pastorinhos coisas maravilhosas. Mons. Feytor Pinto fala destas visitas.

Vai celebrar-se o centenário das aparições de Nossa Senhora, em Fátima, aos três pastorinhos da Cova da Iria. [...] O que poucas pessoas sabem é que estas visitas do Céu foram precedidas da vinda do Anjo da Paz que preparou os pastorinhos para o encontro com Maria. Por três vezes, o Anjo da Paz, também chamado Anjo de Portugal, veio à Loca do Cabeço e a Aljustrel, revelando-lhes coisas maravilhosas.


Deixemos Lúcia contar a primeira aparição: «Foi na Loca do Cabeço, onde, num dia de primavera de 1916, o anjo apareceu claramente pela primeira vez. Depois de rezarem, as crianças estavam brincando, quando um forte vento sacudiu as árvores. Elas veem, então, caminhando sobre o olival na sua direção, um jovem resplandecente e de grande beleza, aparentando ter 15 anos, de uma consistência e um brilho como o do cristal atravessado pelos raios do sol. A Ir. Lúcia assim conta o que se seguiu: "Ao chegar junto de nós, disse: ‘Não temais! Sou o Anjo da Paz.’ E, ajoelhando em terra, curvou a fronte até o chão e fez-nos repetir três vezes estas palavras: ‘Meu Deus! Eu creio, adoro, espero e amo-Vos! Peço-Vos perdão para os que não creem, não adoram, não esperam e não Vos amam.’ Depois, erguendo-se disse: ‘Orai assim. Os Corações de Jesus e Maria estão atentos à voz das vossas súplicas.’ E desapareceu.”»
 
No verão de 1916, quando os pastorinhos brincavam no terreiro dos pais de Lúcia, apareceu-lhes novamente o anjo. A Lúcia conta que os chamou para a oração: «Que fazeis? Orai! Orai muito! Os Corações Santíssimos de Jesus e Maria têm sobre vós desígnios de misericórdia. Oferecei constantemente ao Altíssimo orações e sacrifícios. “Como nos havemos de sacrificar?”, perguntei. “De tudo o que puderdes, oferecei a Deus sacrifício, em ato de reparação pelos pecados com que Ele é ofendido, e súplica pela conversão dos pecadores. Atraí assim sobre a vossa pátria a paz. Eu sou o Anjo da sua guarda, o Anjo de Portugal. Sobretudo, aceitai e suportai com submissão o sofrimento que o Senhor vos enviar.”»
 
No fim do verão ou no princípio de outubro de 1916, na Loca do Cabeço, o anjo veio pela última vez. Lúcia conta esta aparição com muitos pormenores, o mais importante certamente o da primeira comunhão dos pequeninos: «Erguemo-nos para ver o que se passava, e vimos o anjo tendo na mão esquerda um cálice, sobre o qual está suspensa uma Hóstia, da qual caem algumas gotas de Sangue dentro do cálice. Deixando o cálice e a Hóstia suspensos no ar, o anjo prostrou-se em terra junto às crianças e fê-las repetir três vezes a oração: "Santíssima Trindade, Pai, Filho, Espírito Santo, ofereço-Vos o Preciosíssimo Corpo, Sangue, Alma e Divindade de Jesus Cristo, presente em todos os sacrários da Terra, em reparação dos ultrajes, sacrilégios e indiferenças com que Ele mesmo é ofendido. E pelos méritos infinitos de seu Santíssimo Coração e do Coração Imaculado de Maria, peço-Vos a conversão dos pobres pecadores." Depois, levantando-se, deu a Hóstia a Lúcia, e o cálice, deu-o a beber a Francisco e Jacinta, dizendo: "Tomai e bebei o Corpo e o Sangue de Jesus Cristo, horrivelmente ultrajado pelos homens ingratos! Reparai os seus crimes e consolai o vosso Deus."»

Este texto faz parte do Diálogo com o Padre, da FAMÍLIA CRISTÃ de março. Pode ler a versão integral em papel.
Continuar a ler