Precisa de ajuda?
Faça aqui a sua pesquisa
O círculo virtuoso da gratidão
25.10.2021
O fenómeno de gratidão é uma característica específica do ser humano. Responde a uma dinâmica de autotranscendência, na qual aquele que beneficia se sente impelido a sair de si mesmo e a responder na mesma medida à generosidade recebida.

Como percebemos, o importante são os participantes: o benemérito que cria a ocasião de gratidão oferecendo algo, e o favorecido que a completa reconhecendo e apreciando essa doação. Por isso mesmo, a gratidão está sempre orientada externamente, ou seja, para o outro – onde o outro pode ser um membro da família, um amigo, qualquer pessoa, até mesmo um estranho e de Deus para o crente.

Tanto a experiência como a expressão de gratidão são importantes para o desenvolvimento e para a manutenção de relações saudáveis. Estar grato é essencial para apreciar e desfrutar plenamente das pessoas que connosco partilham a vida. Viver com total atenção, apreciando cada detalhe, concentrando-nos naquilo que nos faz sentir bem.

Cabe aos pais cultivar as sementes de gratidão nos filhos desde as mais tenras idades. É importante saber que a gratidão é aprendida num período de tempo relativamente curto, e os efeitos dessa educação são rapidamente sentidos. Educar na gratidão ajuda a forjar caracteres que harmonizam ações com sentimentos morais, crenças e relações sociais.

A gratidão, para além de ser um sinal de boa educação, respeito e de prática do nobre exercício de cortesia, proporciona felicidade, capacidade de alegria e admiração, algo imprescindível nos seres humanos. É, por isso, que dizemos que a gratidão abre os olhos, o coração e a própria consciência. Pois, por muito insignificante que algo nos possa parecer, esta virtude consegue torná-lo grande e encher-nos de muita satisfação.

Quando as pessoas estão gratas, habitualmente costumam expressar-se de forma verbal agradecendo por palavras ou por gestos com abraços, beijos, apertos de mão e até com lágrimas a todos aqueles que lhes são queridos. Por isso mesmo, a gratidão tem sido considerada como uma emoção, estado de espírito, virtude moral, traço de personalidade, hábito, ou, tão simplesmente, como modo de estar na vida.

Na idade adulta, depois de estarem garantidos os sentimentos de filiação e amor, os jovens estão aptos a partilhar generosidade com os outros. Neste momento, a capacidade de gratidão torna-se claramente visível. Estas manifestações têm demonstrado diminuir os níveis de stress (ira, preocupação, ansiedade…) proporcionando um certo bem-estar físico. Os jovens adultos agradecidos estão assim, mais motivados a agir de uma forma prosocial, porquanto estão conscientes de terem recebido um benefício. Sentem-se mais valorizados e dispostos a ajudar os outros, sendo pessoas mais amáveis e responsáveis.

A verdadeira gratidão não faz ficar em dívida para com os outros, afinal, sempre que se faz um favor a alguém, provavelmente não se está a pensar na retribuição. Trata-se sim, de demonstrar afeto e de lembrar o ato de generosidade, de fazer com que essa pessoa se sinta bem e de criar um círculo virtuoso. Tudo o que se precisa é de criar a intenção, a vontade de estar agradecido. Pois, gratidão gera gratidão.