Precisa de ajuda?
Faça aqui a sua pesquisa
Ordem da Cartuxa fecha mosteiro em Évora
26.07.2019
O Capítulo Geral da Ordem da Cartuxa decidiu o encerramento da Cartuxa masculina de Santa Maria Scala Coeli, em Évora, e da Cartuxa feminina de Benifása, em Espanha. A notícia foi tomada há algumas semanas, mas só agora se começam a conhecer os contornos da decisão.

Um dos monges da Cartuxa em frente à sua Igreja Monumental, dentro da clausura. (foto de arquivo) 
O Pe. Antão, superior da comunidade monástica de Évora, confirma que a notícia é «verdade». Não existe muito mais informação sobre o assunto, mas o Pe. Antão adiantou à Família Cristã que a presença que se registava desde o século XVI de monges cartuxos no nosso país terminará no final do mês de outubro. «A data legal de fim da Comunidade será 31 de outubro, para efeitos burocráticos. Os quatro Cartuxos partiremos para a Cartuxa de Barcelona no início de novembro», referu o Pe. Antão em conversa por correio eletrónico.
 
A razão da saída está relacionada com a falta de vocações desta ordem em toda a Europa. Nesse sentido, é pouco provável o regresso dos cartuxos num futuro próximo, garante o Pe. Antão. «É impensável voltarmos dentro de anos. Talvez em décadas... se a Igreja Católica ressuscitar na Europa», disse.
 
Ainda sem informações relacionadas com o futuro, o Pe. Antão esclareceu que «estão em contacto» com congregações à procura de uma congregação de vida monástica de clausura que possa ocupar o espaço que irão deixar os monges da Cartuxa.
 
O que se sabe é que desejam realizar uma missa solene de despedida «na nossa Igreja Monumental, sem clausura», para que todos os amigos da Cartuxa possam despedir-se. Apesar de viverem em clausura, havia uma relação muito próxima com a comunidade de Évora, já que muitos fiéis se deslocavam todas as semanas para uma missa aberta à comunidade numa capela do Mosteiro que tinha contacto com o exterior.
 
«Sinto uma tristeza e um vazio muito grande»
O Arcebispo de Évora, D. Francisco Senra Coelho, fala em «dor» pela partida da Cartuxa de Évora, mas agradece «a Deus os muitos anos da sua presença naquela diocese». «Sinto uma tristeza e um vazio muito grande pela partida, pois era um conforto e uma presença enriquecedora. É uma perda irreparável», refere, em declarações à Família Cristã, adiantando que sente a partida também de uma forma pessoal, pois foi ali que foi acompanhado no seu retiro de preparação para a ordenação sacerdotal.
 
Sobre o futuro, também pouco adianta. «Estou a fazer o que está ao meu alcance para que este lugar de espiritualidade se mantenha dessa forma. Procuramos alternativas, e faremos todos os esforços para que tal aconteça», afirmou.
 
O prelado assegura que «toda a cidade de Évora sente muito a partida da congregação», em virtude da relação de proximidade que existia, e adianta que a partida poderá ficar marcada pelo lado positivo com a ordenação de um sacerdote cuja vocação saiu precisamente da Cartuxa. «Se o processo correr todo da melhor forma, poderemos ter uma ordenação sacerdotal do diácono Paulo Fonseca, que foi irmão da Cartuxa e depois decidiu ordenar-se na diocese. Será um legado da Cartuxa na nossa diocese», refere, adiantando ainda que irá ao mosteiro para celebrar com os monges da Cartuxa em ação de graças pelo seu tempo aqui em Portugal numa data próxima do dia de S. Bruno, antes da sua partida.
 
Texto e fotos: Ricardo Perna
Continuar a ler