Precisa de ajuda?
Faça aqui a sua pesquisa
Papa quer «sacudir» as comunidades católicas no Mês Missionário
03.10.2019
O Papa Francisco iniciou a celebração do Mês Missionário extraordinário com uma celebração no Vaticano, na qual desafiou os católicos a anunciar o Evangelho com «ousadia e criatividade». «Este Mês Missionário extraordinário quer ser uma sacudidela que nos provoca a ser ativos no bem. Não notários da fé e guardiões da graça, mas missionários», declarou, na homilia que pronunciou na Basílica de São Pedro, citado pela Agência Ecclesia.

(foto de arquivo) 
Francisco sustentou que ser missionário é, antes de tudo, ser «testemunha», mostrando com a própria vida que «se conhece Jesus». «Testemunha é a palavra-chave; uma palavra que tem a mesma raiz e significado de mártir. E os mártires são as primeiras testemunhas da fé: não por palavras, mas com a vida. Sabem que a fé não é propaganda nem proselitismo, mas um respeitoso dom de vida», precisou.
 
O Papa elogiou todos os que sabem viver com o «amor de Jesus», para todos, «incluindo os inimigos». «Quem está com Jesus sabe que tem aquilo que se dá, possui aquilo que se doa; e o segredo para possuir a vida é doá-la. Viver de omissões é renegar a nossa vocação: a omissão é o contrário da missão».
 
Francisco lamentou que muitos crentes se fechem numa «triste vitimização», pensando que «está tudo mal», no mundo e na Igreja, e vivendo uma «fé de sacristia», em vez de passar da «omissão à Missão». «Pecamos contra a missão, quando caímos escravos dos medos que imobilizam, e nos deixamos paralisar pelo ‘sempre se fez assim’. E pecamos contra a missão, quando vivemos a vida como um peso e não como um dom», advertiu.
 
O Papa encerrou a sua intervenção com um apelo à missão “ad gentes”, noutros países, «onde há mais falta de esperança e dignidade, onde tantas pessoas vivem ainda sem a alegria do Evangelho». «Vai! O Senhor não te deixará sozinho; dando testemunho, descobrirás que o Espírito Santo chegou antes de ti para te preparar o caminho. Coragem, irmãos e irmãs! Coragem, Mãe Igreja: reencontra a tua fecundidade na alegria da missão», concluiu.
 
Francisco entregou, simbolicamente, uma cruz missionária a vários dos participantes na cerimónia.

Um manual para as comunidades celebrarem o Mês Missionário Extraordinário
Para permitir que os fiéis e as comunidades locais possam dinamizar este Mês Missionário Extraordinário, a Congregação pra a Evangelização dos Povos e as Obras Missionárias Pontifícias elaboraram um manual de preparação para este Mês Missionário Extraordinário, no qual são apresentados diferentes testemunhos da missão, bem como diferentes temas como os leigos e as famílias em missão no mundo, os consagrados, os movimentos eclesiais, as religiões e culturas no diálogo, a pobreza e a justiça social.
 
O manual, em Portugal, é editado pela PAULUS Editora e pretende ser um subsídio de apoio às comunidades locais nesta tarefa de refletir sobre a missão. «Os textos aqui apresentados servirão para inspirar a criatividade das Igrejas locais e dos seus fiéis, no confronto com os desafios inerentes à evangelização a partir da missio ad gentes e do contexto respetivo», escreve o Pe. Fabrizio Meroni, secretário-geral da Pontifícia União Missionária, na introdução. 
 
O guia tem três partes: uma primeira com meditações espirituais de carácter missionário sobre leituras bíblicas da Santa Missa quotidiana dos 31 dias do mês de outubro; uma segunda parte com testemunhos de missão, que apresentam pequenas biografias de «homens e mulheres, santos e mártires, canonizados ou não», sugeridos pelas igrejas de todo o mundo e que podem ser «modelos e intercessores em termos de fé e de missão», conforme se lê na introdução; e uma terceira parte em que se apresentam «temas importantes, evidenciados pelas igrejas locais e pelos nossos diretores nacionais das Obras Missionárias Pontifícias, tendo em vista a formação e a animação pastoral para a missão».
 
Tudo contributos para que as comunidades locais possam dinamizar não apenas celebrações eucarísticas, mas também ações de formação e reflexão sobre o tema, no sentido de estimular nas comunidades locais este desejo de ser-se missionário.
 
Papa instaura Domingo da Bíblia
Antes da abertura do Mês Missionário Extraordinário, o Papa Francisco anunciou a instituição de um «Domingo da Palavra de Deus», celebração anual nas comunidades católicas que visa promover a «familiaridade» com a Bíblia, um dos instrumentos mais importantes na evangelização e na missão. «A Bíblia não pode ser património só de alguns e, menos ainda, uma coletânea de livros para poucos privilegiados», escreve, na carta apostólica Aperuit illis (Abriu-lhes o entendimento).

(foto de arquivo) 
A celebração vai acontecer no III Domingo do Tempo Comum do calendário litúrgico, visando «a celebração, reflexão e divulgação da Palavra de Deus». «O dia dedicado à Bíblia pretende ser, não ‘uma vez no ano’, mas uma vez por todo o ano, porque temos urgente necessidade de nos tornar familiares e íntimos da Sagrada Escritura e do Ressuscitado, que não cessa de partir a Palavra e o Pão na comunidade dos crentes», precisa o Papa.
 
A celebração anual vai ser assinalada pela primeira vez a 26 janeiro 2020, num momento em que decorrem tradicionalmente iniciativas que visam o diálogo entre confissões cristãs e com o mundo judaico. «Não se trata de mera coincidência temporal: a celebração do Domingo da Palavra de Deus expressa uma valência ecuménica, porque a Sagrada Escritura indica, a quantos se colocam à sua escuta, o caminho a seguir para se chegar a uma unidade autêntica e sólida», explica Francisco.
 
Este domingo da Bíblia já tinha sido sugerido no final do Jubileu Extraordinário da Misericórdia, em novembro de 2016.
 
Francisco encerra a carta apostólica com votos de que este «domingo dedicado à Palavra fazer crescer no povo de Deus uma religiosa e assídua familiaridade com as sagradas Escrituras».
 
Simbolicamente, o documento é dado a conhecer na Memória litúrgica de São Jerónimo e início do 1600º aniversário da morte do responsável pela ‘Vulgata’, a mais conhecida tradução para o latim da Bíblia.
 
Texto e fotos: Ricardo Perna
 
Continuar a ler