Precisa de ajuda?
Faça aqui a sua pesquisa
Vida Cristã
Posso casar-me, catolicamente, na praia?
15.07.2017
Quem lê as revistas cor-de-rosa e se entretém a ver telenovelas, dá-se conta de casamentos na praia. É o aconchego do mar, a beleza da espuma, o barulho das ondas a baterem nas rochas... O mesmo se pode dizer dos casamentos que são vistos nas salas de cinema em filmes de fantasia e glamour. Às vezes, nem falta o padre revestido com os paramentos que não correspondem à cerimónia litúrgica que se está a representar. É por esta razão que, de quando em quando, nos aparecem nas paróquias jovens casais a dizer que gostavam de se casar na praia, junto dos rochedos e do mar. Todos estes são pedidos que têm o seu quê de extravagante porque não se conhecem os cânones de um casamento religioso.

 

O lugar da celebração de um sacramento, seja o Batismo ou o Matrimónio, é sempre o templo, uma igreja paroquial. Num casamento, a celebração deve ser, preferencialmente, ou na paróquia da noiva, ou numa outra igreja ou capela escolhidas pelos noivos. Neste caso, os noivos procuram o lugar onde querem celebrar o sacramento do Matrimónio tendo em conta ou a beleza do templo, ou a relação de uma igreja com a história da família, ou a evocação de um acontecimento especial que foi importante para os noivos. De qualquer forma, o lugar do sacramento do Matrimónio é sempre uma igreja ou uma capela que está aberta ao culto.

Assim sendo, um casamento católico não pode celebrar-se nunca na praia. Também pode referir-se que não poderá celebrar-se numa missa campal. Quando a capela, com porta para a rua, é demasiado pequena, o altar pode ser colocado à porta da capela, com a organização da assistência à volta do altar, criando um ambiente de recolhimento e de grande dignidade. É uma situação que habitualmente se aceita.

Há outras situações em que o lugar do Matrimónio pode ser diferente. A celebração pode ser numa casa particular, se é da maior conveniência a descrição e confidencialidade daquele casamento. Neste caso é necessária a licença do bispo do lugar. O mesmo acontece se a celebração do Matrimónio é numa capela ligada a um mosteiro ou a um convento. Então, a licença do bispo é imprescindível.

Quando o Matrimónio se celebra no hospital, perante a doença muito grave de um dos cônjuges, in articulo mortis, não é necessária a licença do bispo. Considera-se que, com a proximidade da morte, e sabendo-se não haver impedimentos, não são necessárias outras condições.                                       

A celebração do sacramento do Matrimónio, na Igreja Católica, exige sempre um processo jurídico. Além da certidão de Batismo, da declaração do estado livre dos cônjuges, e da dispensa de algum impedimento, o processo deve ter o nihil obstat do registo civil. Depois, o processo indica também a igreja e a paróquia onde o casamento se vai realizar. Está, então, fora de qualquer hipótese que o casamento se faça na praia, no campo ao ar livre, numa casa particular ou num outro lugar qualquer.
O lugar do sacramento do Matrimónio é sempre um lugar sagrado, uma igreja ou uma capela aberta ao culto e com licença do bispo da diocese, para ali celebrar os atos litúrgicos.
 
Mons. Feytor Pinto
Foto: FreeimagesPT/Roger Kirby

 
Continuar a ler