Precisa de ajuda?
Faça aqui a sua pesquisa
«Precisamos de respirar a verdade das histórias boas»
24.01.2020
Já foi divulgada a mensagem do Papa Francisco para o Dia Mundial das Comunicações Sociais. Com o tema «“Para que possas contar e fixar na memória” (Ex 10,2). A vida faz-se história», o Santo Padre escolheu o tema «da narração» porque «precisamos de respirar a verdade das histórias boas: histórias que edifiquem, e não as que destruam; histórias que ajudem a reencontrar as raízes e a força para prosseguirmos juntos». O Papa afirma que «na confusão das vozes e mensagens que nos rodeiam, temos necessidade de uma narração humana, que nos fale de nós mesmos e da beleza que nos habita; uma narração que saiba olhar o mundo e os acontecimentos com ternura, conte a nossa participação num tecido vivo, revele o entrançado dos fios pelos quais estamos ligados uns aos outros».


Na mensagem, Francisco lembra que «o homem é um ente narrador» o único ser «que tem necessidade de narrar-se a si mesmo». As narrações, as histórias têm heróis, sonhos, dificuldades, força, coragem, amor: «Mergulhando dentro das histórias, podemos voltar a encontrar razões heroicas para enfrentar os desafios da vida.» O Papa alerta que «nem todas as histórias são boas», porque há as que «nos narcotizam, convencendo-nos de que, para ser felizes, precisamos continuamente de ter, possuir, consumir». Outras vezes «produzem-se histórias devastadoras e provocatórias, que corroem e rompem os fios frágeis da convivência». E ainda há «informações não verificadas» que «repetem discursos banais e falsamente persuasivos, percutem com proclamações de ódio, está-se, não a tecer a história humana, mas a despojar o homem da sua dignidade». Neste contexto, o Papa encoraja: «Necessitamos de coragem para rejeitar as falsas e depravadas. Ocorre paciência e discernimento para descobrirmos histórias que nos ajudem a não perder o fio, no meio das inúmeras lacerações de hoje; histórias que tragam à luz a verdade daquilo que somos, mesmo na heroicidade oculta do dia a dia.»

Olhando para a Sagrada Escritura, o Santo Padre diz que é «uma História de histórias», «a grande história de amor entre Deus e a Humanidade». Explicando o título da mensagem, o Papa lembra o Livro do Êxodo, que comprova que as histórias de Deus foram passando de geração em geração e fazendo-se memória. Mas não algo do passado, porque «é a nossa história, sempre atual». «Depois que Deus Se fez história, toda a história humana é, de certo modo, história divina. Na história de cada homem, o Pai revê a história do seu Filho descido à terra. Cada história humana tem uma dignidade incancelável. Por isso, a Humanidade merece narrações que estejam à sua altura, àquela altura vertiginosa e fascinante a que Jesus a elevou», escreve Francisco.
O Papa lembra que «o Espírito Santo, o amor de Deus, escreve em nós. E, escrevendo dentro de nós, fixa em nós o bem, recorda-no-lo. De facto, re-cordar significa levar ao coração, “escrever” no coração. Por obra do Espírito Santo, cada história, mesmo a mais esquecida, mesmo aquela que parece escrita em linhas mais tortas, pode tornar-se inspirada, pode renascer como obra-prima, tornando-se um apêndice de Evangelho». O Santo Padre salienta a importância deste escrever, deste contar estas e esta história: «Quando fazemos memória do amor que nos criou e salvou, quando metemos amor nas nossas histórias diárias, quando tecemos de misericórdia as tramas dos nossos dias, nesse momento estamos a mudar de página. Já não ficamos atados a lamentos e tristezas, ligados a uma memória doente que nos aprisiona o coração, mas, abrindo-nos aos outros, abrimo-nos à própria visão do Narrador. Nunca é inútil narrar a Deus a nossa história: ainda que permaneça inalterada a crónica dos factos, mudam o sentido e a perspetiva. Narrarmo-nos ao Senhor é entrar no seu olhar de amor compassivo por nós e pelos outros. A Ele podemos narrar as histórias que vivemos, levar as pessoas, confiar situações. Com Ele, podemos recompor o tecido da vida, cozendo as ruturas e os rasgões. Quanto nós, todos, precisamos disso!»
 
Texto: Cláudia Sebastião
Foto: Vatican News
Continuar a ler