Precisa de ajuda?
Faça aqui a sua pesquisa
Como fundar uma religião marcante?
29.03.2016
E quantos anos são necessários para criar uma religião marcante? Estas são questões de um milhão euros que nos levam por caminhos curiosos. Em contexto de semana santa, fica esta reflexão sobre uma pessoa incrível. Começa por uma comparação sobre os vários fundadores religiosos, através do padre Gerald O'Collins, sj, em A Fé da Páscoa.

Buda, fundador do budismo, viveu e ensinou durante anos e anos, e hoje o budismo é uma religião bastante difundida e com um marco cultural mundial sério. Confúcio, fundador do confucionismo, também viveu e ensinou durante anos e anos, e apesar de pouco difundido no ocidente, esta é uma religião marcante na China. Bastante mais recente, Muhammad, mais conhecido por Maomé, fundador do Islão, viveu cerca de 50 anos. Desses anos, 22 foram passados a difundir a sua mensagem e a organizar o seu movimento religioso que tem hoje milhares de crentes em todo o mundo.

Ora, Jesus Cristo, fundador do cristianismo, pensa-se que viveu 33 anos. Destes anos, esteve apenas três “no ativo” a ensinar doze discípulos. Contas feitas, foram apenas três anos, mas foram três anos marcantes para a história da humanidade. Bom, isto não prova a verdade de uma religião. Demonstra, isso sim, a força do argumento. Qual terá sido o argumento forte de Jesus Cristo? Diríamos que é a Sua Ressurreição o grande argumento claramente.

Mas não fiquemos por aqui. A semana santa é o auge do evangelho, sem dúvida, mas sem aqueles outros três anos de vida pública, a dar a cara, com uma mensagem demasiado nova para aquele tempo, com comportamentos e atitudes pouco aceites, sem tudo isso, qual seria o processo para O condenar? O argumento da morte e ressurreição é forte porque durante aqueles três anos, mesmo permanecendo a maior parte do tempo na região da Galileia, Jesus nunca ficou quieto.

Ele esteve sempre em movimento, sempre em viagem, sempre com tempo para a oração, sempre a ajudar todos os que encontrava e os que O procuravam, sempre com uma palavra a dizer, Ele era a Palavra a dizer. «A morte de Jesus Cristo só pode ser verdadeiramente compreendida se tivermos em conta toda a sua existência», diz Juan Ambrósio em Encontro com Cristo, plenitude do Ser humano. Para criar uma religião promissora não são necessários muitos anos. Basta uma mensagem marcante e uma vida incrível. Só o Filho conseguiu viver esta Vida, por isso, a Sua morte e a Sua ressurreição.

Desejo-lhe uma semana santa marcante!